Arquivo mensais:outubro 2013

Lanchinho Legal

Por: Mayra A.

Mayra Abucham consultoria em Alimentação Infantil (representada por mim e pela Priscila Maximino), em parceria com o projeto Dra. Ana Escobar, liderado pela pediatra Dra. Ana Escobar, fez ontem uma palestra na Casa Electrolux sobre o seguinte tema:

Screen-Shot-2013-10-30-at-15.35.41

Falamos bastante sobre a preocupante onda de obesidade e carência de nutrientes, que embora tenha suas causas e soluções já conhecidas por todos, o conhecimento destas informações não tem surtido efeito nenhum para melhorar os hábitos alimentares das crianças.

Já que estamos bem informados e isso não tem sido suficiente para combater o problema,  apresentamos uma metodologia inovadora, que enxerga a alimentação pela ótica das crianças e aposta, principalmente, na interação e vínculo desta criança com todo o processo da alimentação.

Apresentamos também, em primeira mão, o Projeto Lanchinho Legal, que está baseado nesta mesma metodologia. Escolhemos focar no lanche entre as refeições – seja ele feito na escola ou em casa – por ser uma refeição de rápido preparo e mais fácil de ser encaixada na rotina, já que depende da interação entre adultos e crianças.

Screen-Shot-2013-10-30-at-15.42.54

O projeto está previsto para ser lançado em fevereiro, antes da volta às aulas e conta com ações online e offline, aplicativo, ebooks, games, vídeos, enfim, tudo que nossos pequenos tem direito!

Em breve postaremos mais informações, bem como os vídeos desta apresentação.

Agradecemos a presença de todos que puderam comparecer ao evento: amigos, parceiros, blogs, escolas, ou seja, todos que poderão nos ajudar nesta difícil tarefa de mudança de mentalidade e comportamento. Estamos confiantes que juntos faremos a diferença! Para mais informações envie um email para contato@lanchinholegal.com.br

Enquanto isso, convido vocês a prepararem esta receitinha com os seus pequenos: Barrinhas de cereais #pequenosnacozinha

index

Boa diversão e bom apetite!

Mais links sobre o evento:

Glamurama

 

 


Comentários :

Comente

Cozinhando com música!

Por: Mayra A.

Que tal ligar o som para cozinhar com seus filhos?
Ouça a minha seleção favorita e divirta-se!

Screen Shot 2013-10-11 at 16.40.16

Life of a Maid

 

 

 

 


Comentários :

Comente

Bolachinha para os professores!

Por: Mayra A.

Não seria o máximo presentear os professores com uma bolachinha feita pelas crianças?

Receitinha aqui.

bolachinha


Comentários :4

Comente

Pão de queijo

Por: Mayra A.
pao-de-queijo-e-suco-postFoto: Gumo

Ingredientes

750g d polvilho doce
125g de polvilho azedo
15g de sal
150ml de óleo
400ml de leite quente
875g de queijo meia cura
3 ovos

Modo de fazer

Misture o polvilho doce, polvilho azedo e o sal em uma tigela.
Esquente o óleo, acrescente o leite e despeje sobre esses ingredientes secos, mexendo com uma colher.
Junte os ovos, um a um, e amasse por alguns minutos, até a massa ficar homogênea.
Por último coloque o queijo ralado e misture bem.
Com uma colher de chá faça bolinhas de massa.
Coloque em uma assadeira untada com óleo.
Leve ao forno pré-aquecido a 180°C, por cerca de 15 minutos, ou até dourarem.
 


Comentários :3

Comente

Pic nic!

Por: Equipe Mayra A.

Por que não aproveitar a semana da criança e fazer um picnic com os filhos?
Convide-os para preparar um delicioso Pão de queijo com você!
Para acompanhar, um suco de laranja com morangos. Para fazer é só expremer 4 laranjas pera e depois bater no liquidificador com 4 morangos.

Bom apetite! #dedinhosnacozinha
filhos-ma-post-picnic1pao-de-queijo-e-suco-post


Comentários :2

Comente

receitinhas animadas:)

Por: Mayra A.

É com muita alegria que lançamos as receitinhas animadas:)

A Dedinho de Moça deseja que as receitinhas animadas:) sejam uma forma divertida dos pais e filhos cozinharem juntos, usando o lúdico para fortalecer o vínculo e incentivar uma alimentação saudável.
Este projeto será feito em parceria com o Tiago Soarez.

Abaixo nossa primeira receitinha. Espero que gostem!

Bom apetite! #dedinhosnacozinha

Dedinho de Moça ensina: Cookie de Aveia from Receitas Práticas Ilustradas on Vimeo.


Comentários :6

Comente

Afinal, qual é a consistência?

Por: Mayra A.

Oi pessoal, este post será polêmico, vamos lá!

06

Publicamos no ano passado nosso primeiro livro “O que fazer para meu filho comer bem?” e lá ensinamos a passar a papinha na peneira ou usar o liquidificador para atingir a consistência de purê. Iremos que rever esta parte para a próxima edição, que será lançada em 2015.

De acordo com o Manual de Orientação do Departamento de Nutrologia da SBP (Sociedade Brasileira de Pediatria) “A papa deve ser amassada, sem peneirar ou liquidificar, para que sejam aproveitadas as fibras dos alimentos e fique na consistência de purê. A carne, na quantidade de 50 a 70 g/dia (para duas papas), não deve ser retirada após o cozimento, mas sim picada, tamisada (cozida e amassada com as mãos) ou desfi ada, e é fundamental que seja oferecida à criança (procedimento fundamental para garantir a oferta adequada de ferro e zinco). Aos 6 meses, os dentes estão próximos às gengivas, o que as torna endurecidas, de tal forma que auxiliam a triturar os alimentos.
A consistência dos alimentos deve ser progressivamente elevada, respeitando-se o desenvolvimento da criança e evitando-se, dessa forma, a administração de alimentos muito diluídos (com baixa densidade energética) para propiciar a oferta calórica adequada. Além disso, as crianças que não recebem alimentos em pedaços até os 10 meses apresentam, posteriormente, maior difi culdade de aceitação de alimentos sólidos.

Já escrevi aqui sobre como conheci a Priscila Maximino, que hoje é a nossa nutricionista parceira. Ela discorda do uso da peneira e/ou liquidificador, pois tendem a fazer uma papinha mais líquida.

Priscila explica assim: “Ingredientes mais duros não devem ser batidos no liquidificador quando existe um bebê na casa. A carne deve ser desfiada para o pequeno, e não batida. O mesmo vale para vegetais. Bater a comida com a intenção de facilitar o processo de passagem para a alimentação sólida só atrapalha a transição para a comida mais adulta. Sabemos que isto é polêmico, até entre os diferentes pediatras, mas na nossa experiência, facilita as coisas posteriormente para as mães. A papa liquefeita ou peneirada de forma exagerada, escorrega pela garganta adentro e não permite o contato com as papilas gustativas. O resultado é que a criança não distingue bem nenhum sabor nem textura. Seu paladar acaba prejudicado, e a capacidade de perceber nuances de sabores pode sair perdendo para o resto da vida, justamente porque o desenvolvimento deste sentido depende da estimulação de células receptoras espalhadas por toda a boca, especialmente na língua. Por isso, amasse hortaliças e grãos com um garfo e e vá oferecendo pequenas porções. Com o passar do tempo as preparações podem ficar mais, digamos, pedaçudas. Explico esta questão com mais detalhes no meu livro: “Guia descomplicado da alimentação infantil”.

Então pessoal, com exceção de alguns grãos muito duros, que precisam ser rapidamente processados, o melhor é usar o garfo e amassar mesmo! Bom apetite!

 


Comentários :2

Comente

Para comer bem

Por: Priscila Maximino
eatwellimagem: http://blog.fabflour.co.uk

Primeiramente gostaríamos de enfatizar que, em nossa opinião, não existe comida de bebê, comida de criança e comida de adulto. O que  pode diferenciar aquilo que vai no prato do pequeno e no do seu pai é, a grosso modo, a consistência e o tamanho em que são cortados os ingredientes. Não é preciso preparar cardápios exclusivos para cada membro da família, conforme a faixa etária. A receita pode ser adaptada com um amassado, mais caldo, menos caldo, triturado etc.

Ingredientes mais duros não devem ser batidos no liquidificador quando existe um bebê na casa. A carne deve ser desfiada para o pequeno, e não batida. O mesmo vale para vegetais. Bater a comida com a intenção de facilitar o processo de passagem para a alimentação sólida só atrapalha a transição para a comida mais adulta. Sabemos que isto é polêmico, até entre os diferentes pediatras, mas na nossa experiência, facilita as coisas posteriormente para as mães.

A papa liquefeita ou peneirada de forma exagerada, escorrega pela garganta adentro e não permite o contato com as papilas gustativas. O resultado é que a criança não distingue bem nenhum sabor nem textura. Seu paladar acaba prejudicado, e a capacidade de perceber nuances de sabores pode sair perdendo para o resto da vida, justamente porque o desenvolvimento deste sentido depende da estimulação de células receptoras espalhadas por toda a boca, especialmente na língua. Por isso, amasse hortaliças e grãos com um garfo e e vá oferecendo pequenas porções. Com o passar do tempo as preparações podem ficar mais, digamos, pedaçudas. Explico esta questão com mais detalhes no meu livro: “Guia descomplicado da alimentação infantil”.

Outra tentação de quem procura facilitar as coisas: cozinhar demais os alimentos. O calor excessivo e o cozimento por tempo prolongado favorece a perda de nutrientes e torna a textura pouco apetitosa. Além do que, de novo, comida molenga demais não incentiva a movimentação dos músculos orais e… Nesta altura, essa parte você já entendeu.

Quanto ao uso de temperos, nos primeiros doze meses de vida a digestão não está completamente amadurecida para assimilar determinados ingredientes. Faltam enzimas capazes de lidar com eles, daí pode ocorrer irritação gástrica. Entretanto, veja que curioso, se a família é de origem mexicana ou indiana, haverá certamente uma predileção por gostos picantes desde muito cedo. Utilizar de bom senso é a nossa dica. Salientamos que a culinária regional com seus aromas é um dos maiores tesouros culturais que podemos disseminar para as gerações. Por isso não é interessante excluir itens da sua cozinha. Apenas, vale cautela com aqueles que são mais fortes, de sabor muito acentuado. Lembre que o uso de temperos pode diminuir o uso de sal, e com isto podemos ajudar a prevenir a hipertensão arterial futura.

Variar, variar e variar. Aqui eu gostaria de ressaltar que a tendência que vemos nas famílias é justamente o oposto. Por ex: Joãozinho gosta de macarrão e comeu bem na última refeição. Então a família toda se organiza para prover sempre o macarrão que o Joãozinho gosta e prefere. E aí está o ponto que incentivamos a seletividade sem perceber, achando que estamos sendo o máximo em dar o que ele gosta. O caminho deve ser oposto. Ele adora macarrão, então vamos dar ênfase ao arroz e feijão. e por ai vai…

Quanto mais diversificado o cardápio na fase de transição, maior a aceitação a novos ingredientes pelo resto da vida. As células sensoriais da boca enviam sinais ao cérebro que registram os sabores para sempre. Assim, a criança passa a identificá-los sem dificuldade. Não é para ficar só na laranja-lima ou na mandioquinha amassada!


Comentários :

Comente

Nhoque de mandioquinha com ragu de fraldinha

Por: Mayra A.

nhoque

Receita do nosso livro “O que fazer para meu filho comer bem?”, foto Carol Milano

Ingredientes

600g de mandioquinha, lavada, descascada e cortada e cubos grandes
1 colher (sopa) de manteiga sem sal (em temperatura ambiente)
1 gema de ovo
4 colheres (sopa) de queijo parmesão ralado (fino)
Sal, pimenta e noz moscada a gosto
1 xícara (chá) de farinha de trigo

Ragu de fraldinha:
2 colheres (sopa) de óleo de canola
500g de fraldinha cortada em cubos, sem gordura
1 colher (sopa) de azeite extra virgem
½ cebola picada em cubos pequenos
1 dente de alho picado
1/3 xícara (chá) de cenoura cortada em cubos pequenos
1/3 xícara (chá) de salsão cortado em cubos pequenos
2 latas de tomate pelado
1 folha de louro fresco
½ xícara (chá) de vinho tinto seco
Salsinha e cebolinha verde a gosto

Modo de preparo

Para o nhoque:
Em uma panela com água e sal, cozinhe a mandioquinha até ficar macia.
Despreze a água e esprema a mandioquinha ainda quente.
Espere esfriar totalmente e junte a manteiga em temperatura ambiente, a gema e o parmesão ralado.
Tempere com sal, pimenta e noz moscada.
Junte a farinha, aos poucos, ate dar o ponto (não é necessário colocar toda a farinha).
Enrole a massa do nhoque até formar “cobrinhas” grandes e corte em cubos (1cm). Enfarinhe os nhoques cortados.
Cozinhe em água fervente com sal até que eles subam para a superfície. Retire-os da água, coloque em um refratário ou assadeira e regue azeite nos nhoques depois de cozidos para não grudar.

Para o ragu de fraldinha:

Tempere a fraldinha com sal e pimenta.
Em uma panela de pressão, aqueça o óleo e doure a fraldinha de todos os lados. Se necessário, corte a fraldinha ao meio, dependendo do tamanho da panela. Deixe ficar bem dourada.
Junte a cebola, alho, cenoura, salsão e refogue.
Coloque o tomate pelado, o vinho, um pouco de sal, a folha de louro e tampe.
Cozinhe na pressão por mais ou menos 40 minutos e desfie com a própria colher.
Acerte o sal e a pimenta.
Adicione salsinha e cebolinha picada quando pronto.
Para servir, coloque o ragu sobre o nhoque. Sirva acompanhado de queijo parmesão a gosto.

Rendimento: 4 porções
Tempo de Preparo: 1 hora e 30 minutos
Dificuldade: Média


Comentários :3

Comente